Mito da perpetuidade das empresas

O Mito da Perpetuidade das Empresas

Quem estudou contabilidade, uma das primeiras coisas que aprendeu foi que a «empresa» existe na perpetuidade.

A noção de «perpetuidade» é, por si só, arrogante. Nos tempos atuais acho-a incrivelmente arrogante.

A empresa é perpétua?

A ideia da empresa construída para todo o sempre deriva de uma visão romântica da realidade. A verdade é que as grandes empresas são incapazes de inovar e de serem flexíveis de forma contínua. As empresas serão cada vez mais efémeras. Serão construídas para gerar algo de valor – e quando esse valor tiver sido explorado até à exaustão, desaparecerão.

A perpetuidade das carreiras profissionais

O que se passa nas empresas também se aplica à carreiras individuais. Um grande impacto costuma chegar num breve período de tempo. Os professores suecos Kjell Nordström e Jonas Ridderstrale abordam esse ponto no seu livro Funky Business: «A grandeza é fugaz e, para as corporações, irá tornar-se ainda mais fugaz. O objetivo último de uma organização, de um artista, de um atleta ou de um corretor pode ser a de explodir num frenesim de criação de valor durante um curto espaço de tempo, em vez de existir para sempre.

»» Leia o artigo: Sete regras de Silicon Valley que as startups devem ter em conta

Warren Bennis e Patricia Ward Biederman oferecem uma observação incisiva no seu livro Organizing Genius: «os grandes grupos não duram muito». Bennis e Biederman sabem do que estão a falar pois baseiam essa generalização num estudo sobre o melhor dos grandes grupos nomeando-os: Projeto Manhattan, o primeiro lab. Xerox PARC de animação da Disney, entre outros.

Grandes grupos, carreiras, empresas, para onde quer que olhe o modelo de grandeza resume-se a isto… criar um impacto… e depois uma grande saída. Até na natureza se vê isso. As flores mais bonitas, por exemplo as Tulipas, não duram muito tempo. Já os Gerânios duram uma eternidade.

Por vezes é o público que incita o processo. Os dois grandes líderes da Grã-Bretanha do século XX foram Churchill e Thatcher. Os dois foram descartados sem cerimónias quando os cidadãos concluíram que já tinham cumprido as suas funções. Líderes transformadores tendem a acabar por cansar os seus seguidores.

Orson Welles, como Harry Lime em The Third Man, focou o mesmo ponto e colocou-o num grande contexto histórico: «Itália, durante 30 anos sob o poder dos Borgias, teve guerras, terror, derramamento de sangue, e produziu Michael Angelo, Leonardo Da Vinci e a Renascença. Na Suiça tiveram amor fraternal, 500 anos de democracia e paz, e conseguiram produzir o relógio de cuco».

Claro que isto é injusto.

(Ou será que não?)

Construído para Deflacionar

A primeira lista das «maiores e melhores empresas» que as revistas adoram publicar foi a Forbes 100, que apareceu em 1917. Setenta anos depois, num número de aniversário, a Forbes observou a performance subsequente dos líderes do tempo de Rushmore, da economia ímpar da nação americana. Dick Foster, diretor sénior da McKinsey e a sua colega Sarah Kaplan analisaram todos os dados e contextualizaram-nos. O título do seu livro brilhante sobre este tema diz tudo. Creative Destruction: Why Companies That Are Built to Last Underperform the Market.

»» Não perca o artigo: Caraterísticas dos Líderes Inspiradores!

Lendo as suas descobertas, recordo-me de Marlon Brando em Apocalypse Now: o horror, o horror. Resultado líquido: Das 100 fabulosas e perpétuas organizações de 1917, 70 anos mais tarde 61 delas estavam… mortas. Apenas 39 sobreviveram. Mas dessas 39 sobreviventes, apenas 18 figuravam nas 100 maiores empresas de 1987. E dos sobreviventes que ainda eram «grandes», constatou o estudo que tinham sido ultrapassados pelo mercado em 20%. Apenas 2 empresas, a GE (General Eletric) e a Kodak tinha tido uma performance superior à do mercado. E a Kodak, passados mais alguns anos, também acabou por… falecer.

Outros estudos se seguiram. Por exemplo, uma análise ao índice americano S&P500, que foi criado em 1957, apurou-se que apenas 40 anos mais tarde, das 500 empresas inicias, apenas 74 ainda estavam vivas. E as sobreviventes tiveram uma performance pior que a do mercado.

É apenas um facto: Os sobreviventes são muito poucos e têm piores resultados.

A minha conclusão: Mesmo antes da nossa era insana, os tipos grandes tinham a tendência inevitável de ficar preguiçosos, muito preguiçosos.

»» A seguir leia: “O diretor de marketing está morto!”

  • Dias Úteis por Mês
    Verifique os dias úteis, feriados e fins de semana para o ano de 2023. Saiba quantas horas vai efetivamente trabalhar e, aproveite a nossa oferta, descarregando a folha de Excel com os dias úteis por mês.
  • Como Organizar o Armazém
    Organizar um armazém implica criar um layout eficiente que maximize a utilização do espaço, racionalize o movimento de bens e pessoas, e torne fácil encontrar e aceder a itens.
  • Prazo Médio de Pagamento (PMP)
    O Prazo Médio de Pagamento, assim como o Prazo Médio de Recebimento, é um instrumento que nos ajudam a compreender o estado da tesouraria de uma determinada empresa.
  • Como Detetar Oportunidades de Negócio
    Um pessimista vê dificuldades em todas as oportunidades, um otimista vê uma oportunidade em todas as dificuldades. Um empreendedor será certamente um otimista. Veste artigo vamos revelar-lhe como detetar oportunidades de negócio.